Como a Covid-19 se manifesta nas gestantes? Quais os riscos para a mãe e para o bebê? Pesquisas feitas até o momento não têm respostas claras para essas questões, apenas evidenciam tendências. Por precaução, logo no início da pandemia o Ministério da Saúde determinou que as gestantes e as puérperas até duas semanas após o parto (incluindo as que tiveram aborto ou perda fetal) são consideradas grupo de risco ainda que os dados a respeito do quanto o novo coronavírus pode ser mais prejudicial às gestantes do que a população em geral ainda sejam escassos.

Recentemente, estudo publicado no International Journal of Gynecology and Obstetrics revelou que ocorreram 124 mortes maternas por COVID-19 no Brasil, o que representa 77% das mortes em todo o mundo. As razões para isso: pesquisadores citam dificuldades de acesso à UTI e aos ventiladores associado a um maior número de gestantes e puérperas com comorbidades como diabetes, doenças cardiovasculares e obesidade.

O que se sabe até agora?

A literatura mostra que no caso de outros coronavírus, causadores de síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS) e síndrome respiratória aguda grave (SARS), há o risco de a gestação ser afetada, prejudicando o desenvolvimento do feto, podendo levar à mortalidade materna e perinatal. No caso da Covid-19, profissionais de saúde tem se baseado em estudos de caso para ficarem atentos de como a doença se manifesta na gestante ao mesmo tempo em que buscam delinear protocolos de atendimento. De acordo com artigos científicos, se antes parecia que as gestantes não tinham sintomas mais graves que a população, hoje já há indícios de que não é bem assim que acontece.

Uma revisão integrativa, que utilizou como base de dados artigos publicados até 14 de abril de 2020, publicados em inglês, espanhol ou português e usou os descritores “gravidez” e “COVID-19”, identificou que as gestantes são mais afetadas por doenças respiratórias devido a alterações imunológicas e anatômicas fisiológicas.

Outro dado importante verificado foi a possibilidade da transmissão vertical. Em revisão sistemática elaborada em abril deste ano, constatou-se que de um total de 70 recém-nascidos de mães com infecção SARS-CoV-2 comprovada, 7,1% tiveram infecção precoce detectada em segundo dia de vida. Somado a isso, uma publicação também alertou sobre a possibilidade de mortes fetais em gestações com infecção por Covid-19.

Quanto às complicações no parto, artigo do The Pediatric Infectious Disease Journal, intitulado “COVID-19 in Children, Pregnancy and Neonates: A Review of Epidemiologic and Clinical Features” apontou que baixo peso ao nascer, parto prematuro e duas mortes perinatais foram relatadas em associação com SARS-CoV-2. Mas não está claro se algumas das complicações maternas e neonatais citadas são devido ao vírus ou por terem feito cesárea prematura resultando em problemas respiratórios neonatais. Um outro estudo de caso-controle relatou que o número de partos prematuros foi maior em mulheres infectadas com SARS-CoV-2 em comparação com mulheres não infectadas. Além disso, sofrimento fetal e rupturas prematuras de membranas foram relatadas em mulheres infectadas com Covid-19.

Em relação à má formação do feto, ainda não há relatos de dismorfologias fetais, anomalias congênitas em doenças como SARS e MERS, indicando que o novo coronavírus pode seguir a mesma tendência. Contudo, até o momento só há relatos de mulheres infectadas na segunda metade da gestação.

Quais cuidados no caso de uma gestante infectada?

Embora haja muitas incertezas quanto às características específicas do vírus, para promover qualidade na assistência à gestante e ao bebê, o artigo “COVID-19 e a produção de conhecimento sobre as recomendações na gravidez: revisão de escopo*” recomenda:

  • Conter, ao máximo, o avanço do vírus com o isolamento e uso de máscara;
  • Cuidar das infecções respiratórias;
  • Confirmar a doença e a gravidez o mais precocemente possível;
  • Utilizar recursos tecnológicos para a triagem;
  • Manter o suporte de oxigênio, quando necessário;
  • Orientar sobre o repouso, o sono, a nutrição e a hidratação;
  • Utilizar medicamentos quando indicados e contraindicar medicamentos que possam ter efeitos teratogênicos ou tóxicos para o feto;
  • Monitorar os sinais vitais;
  • Oferecer uma atenção obstétrica individualizada e uma abordagem multiprofissional.

São muitos os relatos e artigos científicos publicados sobre o comportamento do vírus Sars-Cov2 na gestação e no puerpério. Somente por meio da produção de conhecimento e da ciência será possível conhecer melhor o vírus e encontrar os melhores protocolos de atendimento. Às operadoras de saúde cabe coletar o maior número de dados dos beneficiários para contribuir com as descobertas desse novo vírus e assim chegar mais perto da vacina ou de um medicamento seguro e eficaz contra a doença.

A ForMédici pode ajudar no gerenciamento dos dados. Que saber como? Entre em contato: contato@formedici.com.br ou (14) 3234-3335 / (14) 3226-2404.

Referências pesquisadas:

Por que o Brasil é o país com mais mortes de gestantes por covid-19. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2020/07/16/Por-que-o-Brasil-%C3%A9-o-pa%C3%ADs-com-mais-mortes-de-gestantes-por-covid-19

Immunological aspects of coronavirus desease during pregnancy: an integrative review. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ramb/v66n5/1806-9282-ramb-66-5-0696.pdf

Atualização da transmissão vertical da COVID-19. Disponível em: https://sgorj.org.br/noticias/atualizacao-da-transmissao-vertical-da-covid-19/

COVID-19 in Children, Pregnancy and Neonates: A Review of Epidemiologic and Clinical Features. Disponível em: https://journals.lww.com/pidj/Fulltext/2020/06000/COVID_19_in_Children,_Pregnancy_and_Neonates__A.1.aspx?context=FeaturedArticles&collectionId=3

COVID-19 e a produção de conhecimento sobre as recomendações na gravidez: revisão de escopo. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692020000100606&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Protocolo de atendimento no parto, puerpério e abortamento durante a pandemia da covid-19. Disponível em: https://www.febrasgo.org.br/pt/covid19/item/1028-protocolo-de-atendimento-no-parto-puerperio-e-abortamento-durante-a-pandemia-da-covid-19

Possível transmissão vertical de SARS-COV-2 de uma mãe infectada para seu recém-nascido. Disponível em: https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2763853

COVID-19 em crianças, gravidez e recém-nascidos: uma revisão das características epidemiológicas e clínicas. Disponível em: https://journals.lww.com/pidj/Fulltext/2020/06000/COVID_19_in_Children,_Pregnancy_and_Neonates__A.1.aspx?context=FeaturedArticles&collectionId=3

Por Camila Leal, especial para a ForMedici